domingo, dezembro 30

Fat Ladies


Só um louco recusa um menu dégustation de um bom restaurante de francês. Fora isso, faço por ter juízo. Duas senhoras gordas apanharam o Luis M. Jorge num momento de maior credulidade. DVD's com senhoras gordas, eu prefiro cantoras de ópera.

Quando se abate um animal ao estilo kosher, retira-se-lhe o sangue e com ele se vai o aço úrico que dá à carne aquele gostinho tão apreciado. Um bom naco de carne contém catorze gramas de ácido úrico que o animal ainda não teve oportunidade de transformar em urina. O nossos rins só conseguem eliminar oito gramas por dia. Umas das fat ladies está sentada num side-car. Ataque de gota?
As senhoras gordinhas gostam com certeza de uma carne bem tenrinha. A carne só fica tenrinha uns dias depois do animal estar morto, quando as bactérias putrefactoras deixam o colon do animal e se espalham por todo o corpo. Convém esperar.

Substituir uma salada por um raminho de salsa? Uma boa receita para uma vida breve.

A piramide alimentar recomendada pelo governo americano nos anos cinquenta era ditada pelos interesses dos produtores de carne e leite. Os EUA e a Europa gastam fortunas em subsidios à produção de leite quando esta é altamente excedentária. Depois há que tentar escoar este leite, dizendo às pessoas que o leite evita a osteoporose e que necessitam de mais protéinas. Não é bem assim.

O LMJ envia receitas de cabidela às amigas vegetarianas que se preocupam com o sofrimento dos animais. Prefiro enviar-lhes uma cópia deste post.

Dedico estas linhas ao Luís, acompanhadas de votos de rápido restabelecimento das desventuras natalícias.

sábado, dezembro 29

Please

Eles já começaram a campanha. Coitados, há anos que se queixam. Falam muito dos Estados Unidos. Para ver se nós nos esquecemos que cá pela nossa terrinha continua a ser impossível entrar num café ou num bar sem inalar as baforadas de fumo que nos atiram para cima.
Para variar acho que desta vez nós, as vítimas, não deveríamos ficar calados.

quinta-feira, dezembro 27

segunda-feira, dezembro 24

Mandelbrot Set - Jonathan Coulton

Pathological monsters! cried the terrified mathematician
Every one of them is a splinter in my eye
I hate the Peano Space and the Koch Curve
I fear the Cantor Ternary Set
And the Sierpinski Gasket makes me want to cry
And a million miles away a butterfly flapped its wings
On a cold November day a man named Benoit Mandelbrot was born

His disdain for pure mathematics and his unique geometrical insights
Left him well equipped to face those demons down
He saw that infinite complexity could be described by simple rules
He used his giant brain to turn the game around
And he looked below the storm and saw a vision in his head
A bulbous pointy form
He picked his pencil up and he wrote his secret down

Take a point called Z in the complex plane
Let Z1 be Z squared plus C
And Z2 is Z1 squared plus C
And Z3 is Z2 squared plus C and so on
If the series of Z’s should always stay
Close to Z and never trend away
That point is in the Mandelbrot Set

Mandelbrot Set you’re a Rorschach Test on fire
You’re a day-glo pterodactyl
You’re a heart-shaped box of springs and wire
You’re one badass fucking fractal
And you’re just in time to save the day
Sweeping all our fears away
You can change the world in a tiny way

Mandelbrot’s in heaven, at least he will be when he’s dead
Right now he’s still alive and teaching math at Yale
He gave us order out of chaos, he gave us hope where there was none
And his geometry succeeds where others fail
If you ever lose your way, a butterfly will flap its wings
From a million miles away, a little miracle will come to take you home

Links: versão editada de Changing Places.

sexta-feira, dezembro 21

As Mulheres segundo Feynman

Quase toda a gente leu Surely You're Joking, Mr. Feynman. No entanto quase ninguém se lembra de uma pequena secção intitulada You just Ask! Porquê? O conto anterior é apenas um resumo dessa secção. Esse livro ficou famoso pela história onde Feynman ensina a abrir cofres. Mas quem é que está interessado em abrir cofres?

Mulheres: um conto científico (epílogo)

Nesse outono estava a dançar numa festa da universidade com a irmã de um estudante de doutoramento quando me lembrei da Pam. Que tal se fossemos a um bar? Será que a lição do John também funcionava com um jovem de boas familias? Enchi-me de coragem e perguntei: olha, antes que eu te compre esta bebida. Vais dormir comigo esta noite? Ela respondeu que sim.
Nunca mais voltei a usar as lições do John. Não me dava prazer fazer as coisas daquela maneira. Mas não deixou de ser interessante saber que funcionava.

Mulheres: um conto científico (2)

Passei o dia a mentalizar-me: a miúda só quer a comissão das bebidas. Não tenho obrigação nenhuma de ser simpático ou comportar-me como um cavalheiro! Essa noite a Tamara acenou-me e apontou para a Pam. Sorri à moça mas não saí da minha mesa. Ela acabou por aparecer. Não lhe paguei a bebida. Foi-se embora. Via-a a dançar com um tenente da força aérea bem parecido. Olhava para mim enquanto dançava. Tentava fazer-me ciúmes. Ignorei-a. Começava a duvidar que a estratégia funcionasse.
Depois do show ela foi buscar o casaco e atirou a frase. Está-me a apetecer dar um passeio, alguém quer vir? Não podia ignorá-la sempre. Ofereci-me para a acompanhar. Sem demonstrar entusiasmo. Sempre era a primeira vez que saía do bar acompanhado. O tenente tinha desaparecido.Estava a fazer progressos. Fomos beber um café. Ela encomendou umas sandes mas tinha-se esquecido da carteira. Eu paguei-as. Estavamos quase a chegar à porta do hotel. Desculpa, gostava muito que subisses para beber outro café mas combinei com o tenente... Não a deixei acabar a frase: és pior do que uma puta!
O quê?!
Paguei as sandes e o que é que recebo em troca? Nada!!!
Eu devolvo-te o dinheiro!
Ok, devolve lá.
Apanhei-a no bluff. Surpreendida, lá descobriu a carteira e tirou uns trocos. Voltei para o night cub e fiz o relatório ao John: falhei, mas tentei recuperar...
Não te preocupes. Vais dormir com ela esta noite.
Mas ela está a comer o tenente!
Não te preocupes...
Duas horas depois, ajudava eu o John a fechar o bar quando apareceu a Pam.
Agarrou-me o braço e levou-me de volta para o hotel.

quinta-feira, dezembro 20

Mulheres: um conto científico

Eu ia àquele night club muitas vezes. A Tamara apresentava-me sempre a uma das dançarinas. Ela sentava-se na minha mesa, eu pedia umas bebidas e falavamos. Ela ia fazer o show e depois voltava. Os homens das mesas em volta invejavam-me. Depois ela dizia qualquer coisa do tipo: gostava que viesses ao meu quarto esta noite mas ... talvez amanhã.
Uma noite a Tamara apresentou-me a Gloria. Quando ela se levantava da mesa por qualquer razão acabava sempre por trocar umas palavras ou uns olhares com o mestre de cerimónias. Tratava-se de uma cumplicidade calma, não de um engate. Resolvi arriscar. Da vez seguinte que a Gloria se levantou passei pelo mestre de cerimónias e atirei: a sua mulher é muito simpática. Acertei. Ele achou que ela me tinha dito. Ficamos na conversa. Quando ela voltou, achou que ele me tinha dito. Depois do cabaret fechar fui até casa deles e assim nasceu uma bela amizade. Acabei por lhes perguntar porque é que a Tamara era tão simpática e me apresentava todas aquelas moças. A Gloria explicou-me: pouco antes da Tamara me apresentar a ti, disse-me: agora vou-te apresentar ao maior mãos largas cá do bar. Parece que tu da primeira vez que cá vieste pagaste uma rodada de champagne a toda a gente. Então era isso!
Confessei que andava meio frustrado. Como era possível que um tipo esperto como eu nunca tinha conseguido levar uma moça para a cama, quando tantos outros, que tratavam as moças abaixo de cão, o faziam sem qualquer dificuldade?

O John ficou de me dar uns conselhos. O problema fundamental é o seguinte: tu queres ser um cavalheiro simpático. Enquanto te comportares dessa forma, ela sabe como lidar contigo, conduz-te onde ela quiser. Como tal

1. Não te podes comportar como um cavalheiro em nenhuma circunstância.
2. Deves desrespeitar as moças.
3. Não lhes vais pagar NADA. Nem sequer um maço de cigarros até lhe perguntares se ela dorme contigo, ela responder que sim, e tu ficares absolutamente convencido que ela fala verdade.

uuhhhhh, isso pergunta-se?

quarta-feira, dezembro 19

>Porque é que o amor não entra nessa "equação económica"?

Caro Jaime,

por amor referes-te àquele sentimento sublime e profundo cujas causas são sempre um mistério mas que por algum motivo só surge nos gajos face às tipas de mamas grandes e nas gajas face aos tipos que as tratam mal?
Isto é uma equação, não é um caixote de lixo para mitologias infantis. Nem mesmo no Natal.
Um conselho: lá porque as gajas dizem que gostam que os homens sejam gays, digo, sensíveis, e tal, não quer dizer que elas ofereçam alguma coisa aos tipos que cumprem com esses preceitos. Já o deves ter observado muitas vezes. Uma ideia: se calhar, se uma coisa se repete frequentemente, é porque não é acidental.
As mulheres falam de amor como os Ingleses falam de sabão: Se ouvires o que eles dizem, parece que o inventaram, mas se vires o que eles fazem, parece que não sabem o que é nem para que serve.
Se queremos perceber as mulheres, pedimos-lhes que nos expliquem. Depois pomos o som em off e anotamos como de facto elas agem.
Isto não é ser misógeno, pelo contrário, eu ADORO as gajas. Mas se vais ter cascavéis como bichos de estimação convém que aprendas primeiro qual é o lado que morde. ;)

PS: Bate lá, Sofia, anda. Today is a good day to die! ;)

OMWO

Cartas de condução com pontos

Vamos ter dentro em breve cartas de condução digitais com um sistema de pontos. Cada infracção reduz o nosso número de pontos, podendo-se chegar rapidamente à inibição de conduzir. Este tipo de cartas já existe em França e Espanha. Alguns espanhóis da raia começaram mesmo a vir a Portugal tirar a carta. O sistema é mesmo eficaz a travar os excessos de velocidade. É sim senhor. Tenho vários amigos espanhóis que passaram a andar na linha. São eficazes a tornar a estrada mais segura? Está por provar. O ministro espanhol responsável pelo sector anda muito chateado com os automobilistas. Depois de alguns sinais de melhoria, o número de acidentes durante as férias do verão disparou. O homem disse que ia procurar desenhar novas medidas. Chegaram agora: Pena de prisão para quem for apanhado acima dos 180 km/h. Se esta medida não resultar, qual será o próximo passo?
Que tal fazer um estudo estatístico sério sobre as verdadeiras causas que estão por detrás dos acidentes? Dá muito trabalho?
É verdade: Todos os acidentes acontecem por excesso de velocidade. Se dois carros estiverem parados, nunca chocam um com o outro.

PS: Aqui vai o link. Afinal é apartir de 200km/h na estrada e 110km/h no que é considerado cidade. Até SEIS meses de prisão.

Nota Mental: já não posso comprar o Porsche.

segunda-feira, dezembro 17

Logica Difusa 3

O ex-Presidente Italiano, Francesco Cossiga, afirmou que foram a CIA e a Mossad que executaram os atentados do 11 de Setembro de 2001. Que credibilidade se pode dar a estas afirmações? Bem, o homem já tinha feito afirmações semelhantes no passado. Denunciou a existência da Operação Gladio. Segundo Cossiga a CIA teria executado operações terroristas na Europa com o objectivo de as inputar a grupos terroristas e daí retirar dividendos políticos. Entre essas operações incluem-se o rapto e posterior assassínio de Aldo Moro, primeiro ministro de Itália e vários atentados à bomba. O homem já é reincidente. Acontece que o Parlamento Europeu ordenou em 1990 uma investigação ao caso, reconhecendo alguma credibilidade a Cossiga.
A ideia de que a CIA teria sido capaz de infligir um ataque em pleno território americano parece algo insana. Vamos admiti-la por um instante. Que teria a direita americana a ganhar com um acto deste tipo. Bem, Bush estava em muito maus lençois, dificilmente seria reeleito. O 11 de Setembro foi a melhor coisa que lhe podia ter acontecido. O 11 de Setembro também permitiu limitar as liberdades civis, atacar o Afeganistão e o Iraque, dar dinheiro a ganhar aos amigos de Bush... Mas o Bin-Laden confessou! Pois confessou. Em troca dessa confissão tornou-se o heroi de todo o mundo Islamico. Um bom negócio. Seria de esperar que os EUA desenvolvessem esforços sérios para o apanhar. Não foi o caso. Para além do mais a sua família teve direito a um salvo conduto para sair dos EUA a 12 de Setembro, quando todos os aeroportos estavam fechados. Pois, também existiram movimentos altamente suspeitos na bolsa de Nova York nos dias que antecederam as explosões. Esses movimentos só não foram considerados crimes porque não se estabeleceram relações entre as pessoas que os fizeram e a Al Qaeda. Se não foi só a Al Qaeda que esteve por detrás dos atentados, o caso muda de figura.

Concluindo: podemos acreditar com intensidade 100% que os atentados de 11 de Setembro foram executados pela Al Qaeda ou devemos considerar que esta afirmação não é completamente segura? Estamos preparados para nos movermos neste mundo sem certezas?

sábado, dezembro 15

A Economia do Sexo

A Isabela escreveu recentemente vários posts condenando moralmente uma transação comercial que considera que é estabelecida de livre vontade entre dois adultos. Como é que a existência dessas transacções afecta os seus interesses?
A existência de prostitutas perturba significativamente a economia (não monetária) das transacções sexuais entre homens e mulheres. Se os homens que vão às prostitutas não o pudessem fazer, teriam de negociar sexo com mulheres não prostitutas. Aceitar as suas condições. Esse aumento da procura reflectir-se-ia no mercado das transações sexuais, afectando o comportamento de todos os homens, mesmo dos que não vão às prostitutas. O poder das mulheres aumentaria significativamente.
Até que ponto é que as nossas posições morais são influenciadas pelos nossos interesses?

PS: A economia trata de todas as interacções entre pessoas que envolvam bens escassos. Não se esgota nas transações monetárias nem nos bens tangíveis.

Knol: Google versus Wikipedia

Actualmente um quinto do tráfico da Google dirige-se à Wikipedia. Imaginem que a Wikipedia permitia Google Ads. Quanto é que a Google podia ganhar com isso? Que tal criar uma nova Wikipedia com Google Ads? Está em fase experimental e chama-se Knol. Durante a fase experimental os artigos são escritos por especialistas convidados. Depois, qualquer pessoa se pode candidatar a escrever um artigo. Os autores recebem o dinheiro dos Ads, caso decidam incluí-los. Os outros podem comentar.
A Google distingui-se pelo seu motor de busca super eficiente, pelo seu código ético e por trabalhar sempre com ideia originais. Pela primeira vez faz lembrar a MicroSoft. Veremos o que acontece. Via Razão Crítica.

Vês, ouves e lês

Francisco Chimoio, arcebispo do Maputo, desaconselha o uso do preservativo. Afirma que várias marcas de preservativos produzidas na Europa são deliberadamente infectadas com sida, o mesmo acontecendo com os medicamentos que são usados para tratar a doença.
Neste momento 16% da população moçambicana está infectada com o vírus.
Como pode a hierarquia da igreja católica ignorar estes factos?
E tu, católico praticante, vais ignorar estes factos?

Rejecta Matematica Caveat Emptor

Não deite fora os seus papers rejeitados. Esvazie o seu caixote do lixo. Via A última Dança.

quinta-feira, dezembro 13

As Ordenações Afonsinas

foram mais indulgentes para com as senhoras.
Sê-lo-á também o nosso José Maria?

Rare Erotica

quarta-feira, dezembro 12

O Talibã da Rua de São Lázaro

As lições de Chang

Ou tudo o que um cidadão bem informado deveria saber sobre economia em geral e a globalização em particular para entender o mundo em que vivemos. Um serviço público dos ladrões de bicicletas.
Indexado para nós pelo Daniel Oliveira.

Futebol e Economia

Por muito que nos custe, a maneira mais eficiente de organizar uma equipa de futebol é montar um bom sistema defensivo, um sistema de pressão alta, treinar as transições rápidas defesa-ataque, escolher dois ou três jogadores criativos que se complementem, e ser optimista. Por cada equipa que joga deliberadamente ao ataque, há duas que lhe dão a volta. O Barcelona do Cruyft levou 5-0 do Milan. A Holanda perde sempre com Portugal.
Por muito que nos custe, a médio prazo os economistas só sabem controlar a inflação e impedir a economia de aquecer demasiado, evitando as consequências nefastas do sobreaquecimento. Consequências que conhecemos várias vezes nas últimas décadas. É mais ao menos fácil estimular a economia e fazer um brilharete durante dois aos três anos. Depois vem a ressaca.
Muita gente boa anda a pedir a Sócrates que jogue mais ao ataque, com a melhor das intenções. Tenham cuidado com o que pedem, podem vir a consegui-lo.

Pensar Bem - Pensar Melhor

Qualquer pessoa que tenha frequentado o Cambridge teve oportunidade de aprender por lá algo mais do que inglês. Aprende por exemplo a estruturar uma apresentação, começando com uma introdução onde explica os seus objectivos, terminando com um resumo das conclusões a que chegou. Expor melhor obriga-nos a pensar melhor. Não se ensina nada disto ao longo de doze anos de estudo da língua portuguesa. Apesar de a Inglaterra ser o nosso mais velho aliado, nunca aprendemos nada com o pragmatismo da cultura inglesa. Da cultura francesa assimilámos o bom Rosseau, que considera que já nascemos ensinados. Não é bem assim.
Sabia que é muito comum a existência de cursos de pensamento crítico nas universidades dos países de cultura anglo-saxónica. Por alguma razão o fazem. Não sabia é que existia um desses cursos aqui por Lisboa. Vejam o post do Ludwig Krippahl no Rerum Natura.

terça-feira, dezembro 11

Em busca do tempo perdido

O amor nos tempos de internet (13).

Revisitando o Gato de Schrödinger

As partículas que compõem o mundo seguem as leis da física quântica. Podem estar ao mesmo tempo em vários lugares, saltar de uma lado para o outro. Até agora achava-se que nós nunca observamos esse tipo de fenómenos devido a questões de escala. De alguma forma era como se a diferença de escala criasse uma diferença qualitativa. Afinal, parece que essa diferença é apenas quantitativa.
Agora alguns físicos argumentam que só não observamos esses fenómenos porque não fazemos medições suficientemente precisas. Se as fizéssemos podíamos por vezes observar a agulha de uma bússola saltar de uma posição para outra sem passar pelas intermédias, em consequência de uma flutuação discreta do campo magnético terrestre. Mais detalhes em Anaximandrake, um blog deliciosamente francês.

segunda-feira, dezembro 10

Logica Difusa 2

Durante muito tempo defendi a justificação moral do lançamento das bombas de Hiroxima. O argumento é simples: depois da resistência suicida das forças japonesas em Okinawa, seria de esperar um número de baixas gigantesco no caso de uma invasão do arquipelago japonês. Só essa invasão podia acabar com a guerra. Não compreendia muito bem o sentimento de culpa de Openheimer e de outras pessoas ligadas à criação da bomba.
A posição mais comum sobre o assunto até é a condenação do lançamento da bomba. Quanto a mim, é feita por razões emocionais demasiado primárias para serem levadas a sério.
Se afinal os japoneses tinham proposto aos americanos uma rendição em termos semelhantes aos que foram obtidos depois do lançamento da bomba como é referido neste jornal de referência alguns meses depois do fim da guerra, parece-me que o caso muda de figura. Que vos parece?
Se se pode mudar de opinião sobre factos tão importantes, é melhor começar a medir a intensidade com que acreditamos em cada facto histórico.
Agradeço ao Diogo ter-nos dado a conhecer este facto.

sábado, dezembro 8

Lógica Difusa

O mundo não é a preto e branco. As nossas convicções são? Quando nos apresentam um facto, temos necessidade de acreditar na sua veracidade ou recusá-la liminarmente, ou sentimo-nos confortáveis em lhe atribuir um certo grau de incerteza? A lógica difusa ensina-nos a lidar com essa incerteza.
Um copo não tem de estar cheio ou vazio. Pode estar 30% cheio.
Chávez pode não ser um anjo nem um demónio.
Usa a lógica difusa no dia a dia, intuitivamente?
Há algum facto histórico relevante a cuja veracidade atribua uma probabilidade algures entre os 20 e os 80%?
Há algum facto histório relevante sobre cuja veracidade tenha mudado de opinião?
Há algum acto histórico relevante sobre cujo estatuto moral tenha mudado radicalmente de opinião?
Limitemo-nos a factos ocorridos depois do nascimento dos nossos avós...

Desflorar uma virgem

Pode ser que ainda vão a tempo!

Cinco

Eu é mais livros. Os filmes são para ver, não para pensar neles. No entanto é difícil esquecer alguns:

Amadeus - Milos Forman
American Beauty - Sam Mendes
Forrest Gump - Robert Zemeckis
Melhor é impossível - James L. Brooks
Voando sobre um ninho de cucos - Milos Forman

Psicanalisem à vontade...
Passo a bola do Lutz para o Alexandre Pearson, o Hugo, o Lino, a Sofia e a Maria da Conceição, que está de volta, se é que ainda não repararam.

terça-feira, dezembro 4

O medo comanda a vida?

É mais seguro ser temido do que ser amado.
Nicolau Maquiavel

Ninguém criticaria o pai Bush se este tivesse ido até Bagdad buscar a cabeça de Sadam. Ainda por cima era barato. Não o fez e explicou porquê: essa idiotice acabaria por sair cara, muito cara. Como pôde o filho convencer alguém inteligente do contrário? Pelo medo, claro.
A guerra fria permitia governar pelo medo. Durante décadas o poderio economico-militar da União Soviética foi sistematicamente sobreavaliado em termos comparáveis ao que se veio a fazer com o Iraque. O 11 de Setembro permitiu voltar a governar pelo medo.
Ao contrário de Putin, Chávez não mete medo a ninguém. Criticar Chávez é o ritual onde prestamos vassalagem ao nosso Príncipe.
O medo não é uma arma exclusiva dos senhores. Uma certa esquerda usa os problemas ambientais para conseguir através do medo aquilo que não conseguiu de outra forma. Que não sirva porém este facto para negar a existência desses problemas. A negação da realidade é tão só o medo de ter medo.

domingo, dezembro 2

Inquietudes

A religião responde a uma inquietação metafísica e existencial, que uma explicação do "como" não consegue apaziguar.

Responde mesmo? Quando se admite a leitura literal da Bíblia, fica tudo claro, mas só alguém com uma mentalidade muito primitiva o consegue fazer. As inquietações são neste caso apaziguadas ou apenas reprimidas? Quando se pressupõe a necessidade de interpretar a Bíblia, haverá realmente lugar a um apaziguamento das inquietações metafísicas e existenciais? Não será que, na melhor das hipóteses, algumas inquietações foram apaziguadas, dando lugar a outras?
Para já não falar nas novas inquietudes do tipo "como pode Deus deixar morrer aquela criança?").

Não será a ideia de que com a morte do corpo físico tudo acaba o melhor apaziguador de todas as inquietudes? Não é reconfortante saber que, quaisquer problemas que venhamos a ter um dia, vão todos ter um fim?

sábado, dezembro 1

Onde está o Mercado?

A lata do tipo. Ofereceu-me vinte euros pelo produto X da minha loja. Vinha ele num Mercedes dos caros. Respondi-lhe logo que o preço era vinte e cinco.

É feio ir a uma loja e regatear preços, não é?

Um dito espirituoso

prova coisa nenhuma.
Voltaire

quinta-feira, novembro 29

Ebbsfleet United

Primeiro aprendemos a dar pontapés na bola. Depois começamos a organizar-nos em tribos, quero dizer: clubes. Esses clubes foram crescendo e foi o que se viu. Para mal dos nossos pecados, a democracia directa não funciona tão bem como nós gostaríamos. Alguns clubes começaram a ser controlados por demagogos, outros acabaram por ser vendidos a sociedades. Ou a tipos endinheirados com apetência por novos brinquedos. Os fãs das equipas da primeira liga inglesa deixaram há muita de ter uma palavra a dizer sobre os clubes.
O que está aqui em jogo é muito mais do que o futebol.
Entretanto surgiram jogos de computador como o Footbal Manager, cujo objectivo consiste em dirigir um clube de futebol e fazê-lo ganhar campeonatos. Dirigir não com o coração mas sim com a cabeça. Há sempre alguém pronto a descobrir um novo negócio. A empresa de internet MyFootballClub propôs-se arranjar 50.000 pessoas dispostas a pagar 50 euros por ano para ter uma palavra a dizer na gestão de um clube de futebol. Com esse dinheiro compraram o Ebbsfleet United. O ciclo fechou-se num ponto mais alto da espiral. Vamos agora ver se eles se entendem...
Para bem de nós todos, bom seria que esta experiência de democracia electrónica corresse um pouco melhor do que a anterior.

sábado, novembro 24

Hermenêutica do piaçaba

O niilismo e o subjectivismo subjacentes ao discurso de uma nova geração de bloggers manifesta-se através da substituição des-construtora da vassoura pelo piaçaba. A vassoura, objecto industrial, é substituida pela palmeira Attalea funifera, denunciando assim um dogma evanescente: a demarcação entre artefactos pré e pós industriais. O piaçaba é simultaneamente uma apropriação edipiana da tecnologia indígena e o seu resgate na recuperação contextualizante de uma relação não incestuosa com a natureza.
A intelectualidade pró-industrial pretende que a escolha do piaçaba decorre da náusea crescente do sujeito: a vassoura varre conteúdos diversos, o piaçaba varre os mais imundos dejectos. A vassoura teria perdido a sua condição de paradigma da afirmação da liberdade e subjectividade do sujeito. Esta interpretação caduca assenta em pressupostos limitadores do príncipio do prazer que têm o efeito castrador de um interdito linguístico em abismo.

Catequese Ateista

Se os ateus já podiam ir à missa, agora também podem enviar os filhos à catequese.

sexta-feira, novembro 23

Como ... , ... .

É a minha resposta à cadeia do José Luiz Sarmento. O blogger não sustenta formulas matemáticas. Parece que dá mesmo azar não continuar as cadeias. Embora eu não acredite nisso. Estendo a cadeia ao CA, ao Diogo, ao Hugo, ao Jaime e à Sofia (que, a partir de agora, já tem idade para ter juízo). Se estiverem para aí virados.

oops!...

Quando um governo só se preocupa com a eficiência esquecendo-se de salvaguardar os direitos, acontecem estas coisas. Veremos o que nos espera.

Ao que parece as medidas de segurança iniciais foram descontinuadas para poupar umas libras...

quinta-feira, novembro 22

O princípio do fim do papel?

Não podemos continuar a gastar madeira a produzir jornais que vão para o lixo ao fim do dia. Não acho indispensavel continuar a enchera a minha casa de livros. Quando quero um livro, quero-o logo. Só preciso de um pedaço de plástico leve e agradavel de ler que possa levar para todo o lado. parece que chegou a primeira geração destas maquinetas. As próximas vão certamente ser melhores.

Países decentes que exportam petróleo

A Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega e
a Noruega.

Quem precisa de comprar petróleo na Venezuela?

Contra a Dialéctica

Gastei boa parte da minha adolescência a tentar desvendar três mistérios: as mulheres, a razão porque a Albânia era o farol do Socialismo e o Materialismo Dialéctico. Outros tempos. O problema da Albânia, já o resolvi. As mulheres...
Falemos então do Materialismo Dialéctico. Trata-se de uma "religião" criada por Friedrich Engels, o tipo que pagava os charutos de Karl Marx, depois da morte deste. Explica o progresso da história em termos inspirados na filosofia de Hegel. A história é um produto da luta de classes através de um processo de tese, antítese e síntese. A antítese é a negação da tese e a síntese é um fenómeno que simultaneamente anula e inclui em em si a tese e a antítese. Eu já explico.
Até à queda do muro do Berlim muita gente achava lá no intimo que existiam duas verdades. A dos americanos e a dos russos. A tese e a antítese. Mesmo que não gostassem dos russos. A verdade? Seria alguma coisa que ainda mal podíamos entrever. Se calhar um pouco mais perto dos americanos. Algo que ainda não existia ... Uma? ... Síntese?
O muro de Berlim caiu e afinal não houve síntese. Um dos lados ganhou. A realidade é muito mais simples e banal do que Hegel e Engels pensavam. Acabou aqui a dialéctica? Nem por isso.
Dum lado temos a realidade da guerra do Iraque e o degelo polar, do outro lado, o George W. Onde estará a verdade? Irá surgir uma síntese? Muitos dos apoiantes de Bush comportam-se como se a esperassem. Nunca foram marxistas. Mas continuam infectados pelo vírus da Dialéctica...
Dum lado estão toda uma série de explicações obvias para o facto da pessoas quererem acreditar, ou estarem predispostas a acreditar que seria tão bom acreditar. Todos os malefícios resultantes das religiões. Do outro, tantas pessoas simpáticas. Seria trágico que estivessem a desperdiçar as suas vidas. Seria demasiado triste que um dos lados estivesse errado.
Acham mesmo que a verdade será uma síntese que anula e inclui os contrários? Por mim, se estou errado, aqui estou à espera do raio que me fulmine.

quarta-feira, novembro 21

Negócios Estrangeiros

Diplomacia é mesmo disso que se trata: negócios. Existe uma grande comunidade portuguesa na Venezuela, eles têm petróleo. Nós vamos, na medida do possível, ser simpáticos para com este Chavez ou qualquer outro Chavez que ande por lá. De direita ou de esquerda. É barato e dá milhões. A menos que se cometam por lá atrocidades mais graves do que os problemas do dia a dia na Arábia Saudita. Ultimamente Mário Soares anda a pagar com juros todo o dinheiro que nos saca para a a sua fundação. Que assim continue por muitos anos.
Os monarquicos costumam dizer que os reis estão melhor preparados para exercer as funções de chefe de estado porque se prepararam para isso durante toda a vida. Juan Carlos mostra que não é bem assim. Vamos ver quanto é que vai custar à Espanha o ¿Por qué no te callas?

Talvez mais realista

Mas muito menos interessante do que os devaneios do Luís M. Jorge a propósito das guarda costas de Kadafi.

terça-feira, novembro 20

A outra Religião

Tenho entre os meus amigos pessoas que considero decentes e intelectualmente honestas, embora que não partilham certas opiniões políticas comigo.
Eles têm entre os seus amigos pessoas que consideram decentes e intelectualmente honestas, embora que não partilham certas opiniões políticas com eles.
Pessoas que considero criminosos.


Homens bem intencionados realizam em geral boas obras e homens maus cometem actos contra o bem comum. Só a religião consegue fazer com que homens bons cometam as acções mais maléficas sem qualquer remorso.

Richard Dawkins, A Desilusão de Deus. Citado de Memória.

O Lutz exprimiu ontem o seu ultraje perante as palavras do Sr. Correia da Fonseca a propósito dos atiradores que matavam quem tentasse atravessar o muro de Berlim. Subscrevo a posição do Lutz. No entanto acho que vale a pena tentar compreender o que se passa na cabeça do sr. Correia da Fonseca.

Muitos cristãos, pessoas decentes preocupadas como seu semelhante, acreditam na omnipotência de Deus. Acham que, se uma criança morre ao nascer, foi a vontade de Deus. Como podem então defender Deus? Algumas vezes com muita dificuldade. Mas acabam por de alguma forma se reconciliar com esse facto. Fazendo acrobacias que a sua honestidade intelectual não lhes permitiria caso se estivesse a falar de qualquer outro aspecto das suas vidas.

Os comunistas comportam-se de forma semelhante em relação às suas crenças.

Claro que há uma diferença, Lutz. Provavelmente achas, tal como eu, que Deus nunca matou uma criança, porque pura e simplesmente não existe. Mas muitos dos meus amigos cristãos acreditam que Deus matou a criança e defendem-no. Muitas vezes com conflitos interiores. Acredita que também existem alguns conflitos interiores no sr. Correia da Fonseca. Só que ele não os vai revelar a ti.

domingo, novembro 18

(Ciência &) Copyright

Cada vez que vamos ao cinema temos de aturar aquelas imagens super agressivas, em altos berros, defendendo o copyright. Os autores têm direito a receber direitos pelas obras que criaram. Entretanto, continua a greve dos argumentistas em Hollywood. Porque não recebem direitos de autor sobre as novas formas de venda dos seus trabalhos.

Não vou tratar aqui em detalhe a questão do copyright. O Ludwig Krippahl tem-lo feito bastante bem. Vou só falar de um dos casos mais ridículos.

Um cientista produz um artigo de investigação. Depois envia-o para um colega, num formato pronto para ser impresso. O colega envia-o a outro colega, que o lê em detalhe, aceita ou rejeita, propondo eventuais alterações. Se o artigo é aceite, o cientista recebe uma carta com um formulário, que devolve assinado na volta do correio, transferido os direitos de autor para o editor. Cujo único trabalho consiste em enviá-lo para a tipografia e distribui-lo. Os imbecis dos cientistas fizeram todos o trabalho à borla. Depois gastam metade do dinheiro que recebem para fazer investigação a comprar as revistas que produziram, vendidas pelo editor a preços exorbitantes. Que subiram 300% durante os últimos dez anos!

Expliquem-me então:
O que é que as leis do copyright têm a ver com a protecção da produção intelectual?
Porque é que os cientistas são tão parolos?

Será que as coisas vão mudar? A Comissão Europeia está a considerar a hipótese de obrigar a que toda a investigação subsidiada pela Comunidade Europeia esteja obrigatoriamente disponível para todos. Uma vez por outra, Bruxelas abre os olhos. Resta saber quantos milhões de euros é que as grandes editoras estão dispostas a despejar sobre este assunto até o fazer esquecer.

sexta-feira, novembro 16

Nintendo Yoga

A guerra das consolas pode afectar seriamente o futuro de empresas como a Sony, cuja PlayStation não tem tido grande sucesso. A culpa é da Nintendo que lançou a revolucionária Wii. Esta consola é a mais séria contribuição para a luta contra a obesidade infantil (e não só). Passamos a jogar um jogo como o ténis movendo um comando exactamente da mesma forma como moveríamos a raquete. E fazendo exercício a sério.
Vem aí um novo acessório, uma plataforma que analisa a forma como o nosso peso se distribui pelos pés, permitindo-nos por exemplo visualizar no ecrã o nosso centro de gravidade em tempo real. Uma das primeiras aplicações será um professor de Yoga electrónico. Será que eu ainda vou arranjar uma boa desculpa para comprar uma consola?

quarta-feira, novembro 14

Teorias da conspiração

Há para todos os gostos. Basta aplicar este rótulo para desacreditar uma opinião. Muitas teorias da conspiração tratam de temas sobre os quais é muito difícil saber exactamente o aconteceu. Só um trabalho de investigação de campo permitiria eventualmente chegar a uma conclusão séria. Como temos mais que fazer, só nos restas alvitrar uma opinião. Podemos é fazê-lo com mais ou menos consciência das limitações dessa opinião. Parece-me por isso que

Quando alguém subscreve uma teoria da conspiração, esse facto diz-nos por vezes mais sobre a pessoa em questão do que sobre os factos em causa.

Analisemos algumas:

Nunca fomos à Lua. Parece que as fotos da ida à lua mostram fenómenos de dispersão de luz e sombras que só poderiam ocorrer na presença de uma atmosfera. Só físicos engenheiros altamente especializados podem realmente discutir estas questões com seriedade. Na verdade, só um grupo de físicos que trabalhasse independentemente da Nasa e lançasse um foguetão à Lua podia realmente acabar com a discussão. Este meme teve sucesso por duas razões:
Muitas pessoas ainda não compreenderam lá muito bem que a terra é redonda. Essa história de a Lua ser um satélite da Terra é muito complicada.
A ida à Lua foi essencialmente uma manobra de propaganda da guerra fria, para fazer esquecer a humilhação do Sputnik. Não havia um projecto científico/económico subjacente. Por alguma razão o projecto de exploração espacial da Nasa entrou em crise com o fim do programa Apolo.
O homem foi à Lua: acho que sim. Existe uma vaguíssima possibilidade de não ter ido? Talvez. Vou perder tempo a pensar nisso? Para ter uma vaga hipótese de chegar a uma conclusão sobre o assunto, tinha que dedicar a minha vida a este problema. Tenho mais que fazer.

Inocente até prova em contrário. Quando alguém é acusado de um crime, devemos aguardar pela decisão do tribunal. Significa isso que:
Não vamos ter uma opinião sobre o assunto até surgir a decisão do juiz.
Vamos sentir como nossa obrigação tomar como nossa a decisão do juiz?
Nem pensar! Alguns casos são demasiado sérios para os deixar por conta dos juízes. Acabam por prescrever, por exemplo. Ou são afectados pela importância política/económica dos réus. Aceito de bom grado que o sistema judicial nunca pode ser perfeito. Acho que o nosso podia ser um pouquinho mais justo e mais rápido. Não vou assobiar para o lado e ficar calado. Vou emitir opiniões sobre a culpabilidade de alguns réus, independentemente de saber que não reuni todos os dados e que corro o risco de errar. Acho que é o meu dever enquanto cidadão não totalmente desinformado.

A teoria da evolução é falsa porque eu não a compreendo. Como é que a Teoria da Evolução explica a metamorfose de uma borboleta? Não sei. Não posso saber tudo. Não quero saber tudo. Se alguém me der uma vaga idéia em meia dúzia de páginas, até sou capaz de ler. A ciência é um edifício extremamente complexo. Deu algumas provas: produz computadores, aviões e a pílula anticoncepcional. Devia merecer algum crédito, até prova em contrário.
Wiles provou o último teorema de Fermat. Apesar de eu ser um matemático profissional e trabalhar numa área próxima da dele, não tenho mais do que uma vaguíssima ideia de como se prova o teorema. Para perceber minimamente a prova teria de trabalhar vários anos no assunto. Depois, para dar um esboço de explicação a um não matemático, teria de lhe pedir que estudasse matemática durante uma década. Existem menos de cem pessoas no mundo que compreendem a prova. Devemos concluir daí que se trata de um embuste? Tenho boas razões para achar que não. Não me vou dar ao trabalho de as escrever, o artigo já vai longo. Quem quiser duvidar, duvide à vontade.

terça-feira, novembro 13

A mulher pergunta

Francesco Clemente, Selfportrait as a bengali woman. 2005

O homem responde.

domingo, novembro 11

A Desilusão de Deus &

Nunca tinha lido um livro sobre ateísmo. A igreja católica já faz o seu trabalho suficientemente bem feito. Recentemente li dois. Desiludi-me um pouco com A Desilusão de Deus, de Richard Dawkins. Esperava-se que um especialista em evolução utilizasse esta teoria para estudar a religião. Dawkins limita-se a usar o senso comum. Dele, esperava-se algo mais. Ficou-me na memória a frase

Homens bem intencionados realizam em geral boas obras e homens maus cometem actos contra o bem comum. Só a religião consegue fazer com que homens bons cometam as acções mais maléficas sem qualquer remorso.

Bem mais profundo do que o livro de Dawkins é o livro de Daniel Dennett Breaking the Spell: Religion as a Natural Phenomenon. Dennett analisa em detalhe o processo de formação das religiões de um ponto de vista antropológico e evolutivo. As religiões organizadas começam exactamente no momento em que surge a divisão do trabalho. O conceito de meme, introduzido por Dawkins, é utilizado em detalhe para explicar a evolução das religiões.
Quando se fala na sobrevivência do mais forte pensa-se em geral em individuos. A teoria da evolução não se refere a individuos mas sim aos seus genes. Não somos nós que possuimos os genes, somos apenas o seu envolucro mortal. Um meme é o equivalente cultural de um gene. São exemplos de memes canções, receitas de cozinha, cortes de cabelo e teoremas matemáticos. Uma religião é um agregado extremamente complexo de memes. Os memes mais aptos são reproduzidos e sobrevivem. Os outros não. A ideia de Deus e conceito de ateismo são dois memes em competição.

A parte final do livro é dedicada a enfatizar uma série de ideias que valem a pena ser repetidas:

1. A religião é um fenómeno cultural como qualquer outro que pode e deve ser estudado por todos, crentes e não crentes.

2. Os crentes acreditam na existência de um estatuto especial para a sua religião, que a coloca acima da possibilidade de esta ser estudada. Encaram muitas vezes estes estudos como actos hostis contra a sua religião. Os cientistas olham em geral para o estudo das religiões como uma disciplina menor.

3. Num mundo globalizado e turbulento como aquele em que vivemos estudar as religiões usando métodos cientiíicos é algo quase tão urgente como estudar o clima.

4. Ninguém sabe como vão evoluir as religiões. Se perdurarão para sempre ou se definharão dentro de um ou dois séculos.

Mais do que apresentar certezas, o livro levanta questões e discute metodologias de trabalho.

Algum tempo atrás o Helder Sanches perguntava se as religiões eram eternas e inevitáveis. A resposta de Dennet é um pouco mais modesta do que a maioria das respostas dadas pelos vários bloggers: vamos primeiro estudar o assunto a sério. Depois logo se vê.

sábado, novembro 10

A era da Turbulência

Quem diria que o cinzento sr. Greenspan ganhava a vida como músico de Jazz antes de lhe passar pela cabeça transformar-se num economista? A sua autobiografia é muito mais interessante do que alguma vez pensei que pudesse ser. Um livro indispensável para alguém interessado em compreender como é que funcionam realmente a economia em geral e os mercados em particular.

Observador insuspeito, Greenspan confirma quais eram os presidentes dos EUA que realmente sabiam o que andavam por lá a fazer: Richard Nixon e Bill Clinton.

quarta-feira, novembro 7

O Holocausto

O Diogo põe em causa o holocausto. Quando li um comentário dele no Quase em Português, nem percebi o que ele estava a dizer. Depois ele também escreveu uns comentários semelhantes neste blog e fiquei de lhe dar uma resposta. Aqui vai ela.

Caro Diogo,

concordo que existem alguns exageros a propósito do holocausto. Por exemplo: não me parece que tenha sido um genocídio de uma magnitude diferente de muitos outros que ocorreram ao longo da história: o genocídio do povo arménio pelos turcos foi provavelmente mais grave. Recentemente, o genocídio no Rwuanda é certamente comparável. A forma como os nazis tratavam os ciganos foi provavelmente bem mais dura do que a forma como tratavam os judeus. Dar um nome especial à forma como os nazis trataram os judeus e considerá-lo um acontecimento singular na história mundial, é menosprezar o sofrimento de muitos outros povos.

O holocausto tem sido usado para justificar todas as atrocidades que o governo israelita tem cometido sobre os palestinianos. Tem sido também usado para justificar a censura e legitimar o delito de opinião. Nutro alguma simpatia por todos aqueles que que têm a coragem de ter opiniões diferentes dos outros e que para além disso as exprimem publicamente, mesmo que discorde das suas ideias.

Dito isto, acho que o holocausto ocorreu mesmo.
Ainda bem que os nazis perderam a guerra.
Vamos então ao que interessa:

Diogo,
passados sessenta anos, o que é que o leva a dar tanta importância a esta questão?
Quais são as suas motivações? Que pretende concluir da negação da existências das camaras de gás?

Parece-me muito mais interessante discutir isto do que discutir factos que ocorreram à duas gerações. Já agora: embora ache que os alemães que viveram durante a segunda guerra mundial são responsáveis pelo que aconteceu, não me parece que isso tenha deixado qualquer mancha sobre os alemães de hoje.

terça-feira, outubro 30

A Dignidade Humana 1

Que aconteceria à dignidade humana se aparecesse por aí uma raça de extraterrestres mais ou menos parecidos connosco, mas mais inteligentes, mais bonitos e com mais potência sexual?

sexta-feira, outubro 26

É essencialmente um mito

Mas é um mito bem bonito. Mesmo que apareça com uma semana de atraso.

A minha amiga Catherine

A minha amiga Catherine pertence a duas raças superiores: frequentou uma Grande École e é judia. No meio duma conversa num dia de chuva, a Catherine deixou cair duas ideias em frases consecutivas: é contra todas as formas de racismo; é membro de uma raça especial. Superior não. Só especial. Obviamente, os judeus são mais inteligentes. Não resisti a tentar explicar-lhe que havia uma certa contradição entre as duas afirmações. Ela não percebeu.
Lutz, quem começa por dividir o mundo em judeus e não judeus são os judeus. São a raça escolhida, não são? É natural que o façam. Todas as minorias o fazem. Os judeus só se distinguem das outras minorias pelo facto de terem sido minoritários durante mais tempo do que os outros. Fazer por ignorar a existência de divisões numa sociedade não contribui em nada para eliminar os problemas que a existência dessas divisões nos trazem. Só diminui a nossa capacidade de entender e resolver esses problemas.
Se não vamos dividir a sociedade entre judeus e não judeus, então era melhor começar por não dedicar tanto espaço aos judeus no museu de Berlim. Não chamar a atenção para o facto de eles serem diferentes.
Ah, pois! eu não tinha percebido: só não se pode falar de minorias quando se diz que ela são piores do que a média a desempenhar alguma actividade. Se for para dizer que negros têm pénis maiores do que os brancos e são melhores na cama, não há problema.
Esse comportamento paternalista acaba por ser ele próprio uma forma de discriminação. Infinitamente mais subtil.

quinta-feira, outubro 25

quinta-feira, outubro 18

Que dois!

Menezes marca a sua primeira Grande Entrevista para hoje às 21 horas, na RTP. Hoje aparece a notícia: Santana no Telejornal da SIC, às 20. À última hora, Santana desmarca. Isto promete.

sábado, outubro 13

Sabado 13

Comemora-se hoje setecententos anos da primeira sexta-feira treze. O dia em que a Ordem do Templo, a mais poderosa instituição da época, teve azar. Como o Lino se lembrou de nos lembrar. Um bom dia para as bruxas saírem à rua.

terça-feira, setembro 18

Subir e descer

Dizem-nos que o petróleo está a subir. Mas dão os preços em dolares. Ora o dolar está a descer, e muito, em relação ao euro. Em relação ao euro, o petróleo está a subir ou a descer? Confesso que não sei. Tenho andado muito ocupado. Provavelmente não sobe nem desce, antes pelo contrário. Mas só cotando o preço do petróleo em dolares é que se consegue fazer noticias. So be it.
Entretanto, pode ser que as gasolineiras portuguesas aproveitem a boleia para subir mais um pouquinho o preço da gasolina. A bem do meio ambiente.

quarta-feira, setembro 12

Não deixar a JUSTIÇA cair na rua

Lá andam outra vez as pessoas a opinar sobre o que não sabem. Aguardemos serenamente pelo veridicto dos tribunais. Olhem por exemplo para o caso Casa Pia.
Por falar nisso, o que é que o tribunal decidiu nesse caso? Confesso que entretanto me esqueci.

terça-feira, setembro 11

Quem vai pagar?

Os McCann acabam de contratar dois dos mais caros advogados de Inglaterra. Os serviços destes senhores não estão ao alcance da classe média alta. Só milionários e multinacionais podem dar-se ao luxo de comprar justiça desta qualidade.
Existe no entanto um fundo a que os McCann tém acesso...
Não, não tinham lata para tanto.

terça-feira, agosto 28

Poupe energia

Da próxima vez que precisar de pesquisar alguma coisa na net, google aqui.
Poupa-se (muita) energia.

segunda-feira, agosto 27

Da Bolsa para o Casino

A receita infalivel para ganhar no casino.
Jogar um euro na roleta em como sai vermelho e não preto.
Se perdermos, apostamos o dobro, até ganhar.
Acabamos sempre por ganhar um euro.
Depois, recomeçamos.

quinta-feira, agosto 23

First lady Laura Bush: Get Fu**ed


O verniz de Laura Bush depois disto.

El Cid

É genuino, é português, é nosso. Completou 40 anos de carreira. Continua a trabalhar!
O Zé merece.

terça-feira, agosto 21

O cisne negro

Como medir a probabilidade de um acontecimento que nunca aconteceu? David Hume deixou como herança à Sofia alguns motivos para insónias. Por mais que todos os cisnes encontrados sejam brancos, poderá existir um negro? E qual será a probabilidade deste acontecimento?
Ou será que pura e simplesmente um cisne é por definição, branco? Esta pergunta teria certamente sido muito popular na Idade Média. No tempo de Hume, já estava ultrapassada. Afinal, a filosofia por vezes progride.
Uma das maravilhas da descoberta da Austrália foi precisamente a descoberta de cisnes pintados de negro. Como medir a probabilidade destes acontecimento acontecer? Será que a Sofia anda a ler Hume sem saber? Não me parece.
Será que a motivação da Sofia foi a recente instabilidade dos mercados financeiros?
O grande pesadelo de um investidor é o cisne negro, o acontecimento raro que lhe come todo o dinheiro investido e o reduz a um não investidor.
Pensando bem, não deve ser esta a motivação da Sofia.
Então?
Anda a passar demasiado tempo com os pés bem assentes no chão?

Un gran finale?

Depois de o Jebb lhe dar uma ajuda a ganhar a Florida, de ter mentido a propósito da existência de provas de armas de destruição maciça no Iraque, do Katrina e de ter tornado legal a violação de correspondência de qualquer cidadão americano sem necessidade da autorização de um juíz, o Jorge conseguiu agora juntar um novo feito ao seu invejavel curriculum: violar a independência do Federal Reserve Board. O Fed baixou a taxa de juro num momento em que as pressões inflaccionárias se mantém. A médio prazo, alguém vai pagar mais esta factura. Veremos se o credor bate à porta durante o mandato do Bush, ou se sobra para o próximo.

sábado, agosto 18

Stock Market Wisdom (2)

Quando um blog generalista cita uma entrevista onde se fala da maior crise financeira dos últimos tempos, talvez seja altura de comprar, comprar....

segunda-feira, agosto 13

Com os pés bem assentes no chão

Uma das razões porque Freud colocava os seus clientes num divã, era para lhes retirar as plantas dos pés do chão. Só sonhamos e relaxamos com elas no ar. Nós, os ocidentais, tivemos durante muitos anos a exclusividade desta postura, que parece ajudar a desenvolver o pensamento lógico e todos os males que daí advém.
Nada como um mês de Agosto em que as plantas dos pés só contactem o chão uma de cada vez, quando andamos. A partir de Setembro, recomenda-se meia hora por dia de pernas para o ar. Profilaxia.

quarta-feira, agosto 1

Stock Market Wisdom

Se o seu barbeiro lhe começar a dar palpites sobre acções, corra para o telefone e venda-as todas.

Versão século XXI:

Se um blogue generalista começar a falar da bolsa, clique na sua correctora on-line e ...

domingo, julho 29

Aikido

Sempre tive um fraquinho pelos filmes do Steven Seagal. São em geral muito maus, mesmo para filmes de acção. Mas são diferentes. E a diferença é esta.

quinta-feira, julho 26

O Rei Lear

O BCP continua a promover uma nova interpretação da obra prima de Shakespeare. O papel principal vai ser desempenhado pelo próprio Jardim Gonçalves, Chairman do banco. O próximo acto decorre na sede do BCP dia 6 de Agosto.

quarta-feira, julho 18

Investigação: As privadas lideram a inovação

Num momento em que muitos departamentos universitários procuram encontrar novos nichos de mercado, as universidades privadas movem-se mais depressa. O Centro Transdiciplinar de Estudos da Consciência da Universidade Fernando Pessoa é um exemplo. Um dos líderes do centro é também autor de uma extensa obra sobre as aparições de Fátima. Mais informações no Que Treta!

terça-feira, julho 17

Qual é o alimento mais rico em proteinas?

Mais interessante: o que devemos entender por "mais rico"?

Silogismo

Um Ser Omnisciente já sabe tudo o que vai fazer no futuro. Se já sabe o que vai fazer, não o pode modificar. Logo não é Omnipotente. Logo não existem seres Omnipotentes e Omniscientes.

segunda-feira, julho 16

123 x 321

A economia mais pujante da Europa

é a portuguesa. Pelo menos é a que tem o fundo mais rentável. O Santander Acções Portugal valorizou 61,13% durante o último ano, como podem ver aqui. Foi o fundo em euros a valorizar mais durante os últimos doze meses. Em segundo vem o Invesco Greater China. Devia isto significar que os chineses andam preocupados com as mercadorias portuguesas que andam a invadir a China? Parece que não. Explicações para este fenómeno?

domingo, julho 15

Deuses

Os filósofos estendem o sentido das palavras até que estas passem a reter muito pouco do seu sentido original, chamando Deus a uma vaga abstracção que eles criaram para si próprios, apresentam-se como crentes perante o mundo, orgulhando-se até de terem atingido uma ideia mais pura e mais elevada de Deus, quando na verdade o seu Deus não é mais do que uma pálida e insubstancial sombra da poderosa personalidade que encontramos na doutrina religiosa.
Sigmund Freud

O que é que este senhor vai inventar logo à noite ?

sábado, julho 14

Qual é o único país europeu que tem uma economia tão pujante a ponto de fundos de acções desse país baterem todos os outros em rentabilidade?
Incluindos os Chineses.

Os números são nossos amigos

O 4 é um quadrado, o 5 e o 7 são primos, o 12 é divisível por 2 por 3 e por 4. As construções mentais necessárias para grande parte dos raciocínios matemáticos elementares assentam num conhecimento íntimo dos números e das suas propriedades. Que têm de ser em primeiro lugar intuídas no concreto. Quando se substitui o conhecimento da tabuada pela máquina de calcular destrói-se a viga mestra em volta do qual se devia começar a construir o edifício matemático. A partir daí...

Mudando de assunto: pode-se determinar os números primos até 13x13 colocando-os em colunas de 1 a 10 e cortando os pares e os múltiplos de 5, que ficam em colunas; os múltiplos de 3 que ficam em linhas diagonais; e os múltiplos de 7 que sobram, que são só o 7x7 e o 7x13.
Mas se os colocarmos em colunas de 1 a 6, até os múltiplos de 7 são cortados geometricamente. Nunca tinha reparado nisto. Fiquei envergonhado.

sexta-feira, julho 13

A BEM do PS

Cabe aos residentes de Lisboa aproveitar a oportunidade de diminuir um pouco o autismo galopante deste governo. Que só vai aumentar com a presidência da união europeia.

Creacionismo

Seja DONO do seu BANCO?

Deixar o dinheiro no banco dos outros é quase equivalente a deixá-lo debaixo do colchão. Nos tempos que correm, as reformas e os postos de trabalho tornaram-se algo incertos.
O mais arriscado, é não arriscar.
Que fazer? Tendo em conta aquilo a que me propus quando comecei este blog, já devia ter falado no assunto há mais tempo.

quinta-feira, julho 12

O MUNDO dos OUTROS (2)

O Elias reformou-se só para chatear. Continua a trabalhar todos os dias. E a militar no mais pequeno grupelho trotskysta que encontre a jeito. Ontem estava um pouco menos confiante no futuro deste país.

Imagina que estes miúdos resolveram organizar aqui na Faculdade um curso de empreendedorismo.
E-M-P-R-E-E-N-D-E-D-O-R-I-S-M-O!

Deixa lá: sem esses gajos, o que era feito da luta de classes?


Tive direito a um exemplar do jornal dele e a mais dois ou três panfletos. Da outra vez que mos tinha oferecido, tive de os pagar.

quarta-feira, julho 11

O MUNDO dos OUTROS


O único luxo do Behrouz era a caneta MontBlanc. E o jantar daquela noite no Quartier Latin. Por altura da sobremesa, confidenciou-me uma dos seus maiores tormentos.

Como era possível haver alguém que não dedicasse a sua vida à matemática?
Afligia-o profundamente a condição dos seus semelhantes.

Terminei o café.

Imagina que toda gente se dedicava à matemática. Então também tínhamos todos de fazer comida, tratar da contabilidade, vender bilhetes para o cinema.
Que sorte a nossa, de haver quem queira fazer outras coisas.

terça-feira, julho 10

REN dispara 21,82% na estreia em bolsa













Fecharam com uma valorização de 27,27%.

Conversas em família

A Primavera Marcellista acabou no dia em que Marcello Caetano contou nas Conversas em Família uma anedota.

Outro dia o Marcello Caetano foi multado por um polícia.
Então porquê?
Fez sinal para a direita e virou para a esquerda.

Marcello garantiu que não era verdade. E lá teve que virar um pouco mais à direita.

Uns programas mais tarde, Marcello Caetano deixou um recado para uma professora do ensino secundário. Ela teria afirmado numa aula que também nós temos o nosso Vietnam.

Minha senhora, nós não fomos para Angola a década passada...

De bufo em bufo, a história foi da sala de aula até ao gabinete do Primeiro Ministro. Marcello Caetano achou por bem não sujar as mãos ordenando o seu despedimento, nem deixou que alguém o fizesse por ele. Outras mentes mais mesquinhas não teriam resistido a usar o poder.

segunda-feira, julho 9

Mais cheques sem cobertura

Se há um fenómeno económico que nos é familiar e é dificil de entender, esse fenómeno é a inflação. O dinheiro é a régua que mede o valor dos bens. E essa régua está sempre a encolher.
A inflação está relacionada com a quantidade de dinheiro existente. Se o Banco Central imprimir mais notas, a lei da oferta e da procura leva a que que consiga comprar menos bens com uma nota.
Se eu colocar mil euros dentro do colchão durante um ano, é como se eles não existissem. O que conta realmente é a quantidade de dinheiro a circular.
Mas ainda é um pouco mais complicado. Se metade das notas estiverem debaixo do colchão e as outras mudarem de mão duas vezes no mesmo dia, isso é equivalente a todas as notas terem mudado de mão uma vez. A inflação está directamente relacionada com o produto da massa monetária pela sua velocidade de transação. Trocando por miudos: quanto mais dinheiro circular, maior a inflação.
Também podemos ler a coisa ao reverso: se o dinheiro circular mais depressa, é como se houvesse mais dinheiro. Se circular mais devagar, é com se houvesse menos.

A inflação rouba-nos a todos qualquer coisinha. Redistribui a riqueza, que viaja lenta mas inexoravelmente das zonas onde o dinheiro circula mais devagar (os meus bolsos) para as zonas onde estes circula mais depressa (os bancos e a bolsa).
Que posso eu fazer para manter esta nota de cem euros inteirinha no meu bolso?
O que é que este post tem a ver com cheques sem cobertura?

domingo, julho 8

Igualdades

As tenistas conseguiram finalmente aquilo que reivindicavam há muitos anos: a igualdade nos valores dos prémios nos torneios do Grande Slam. Convém realçar que prémios iguais para ambos os sexos favorecem objectivamente as mulheres. Normalmente um jogo de ténis realiza-se à melhor de três sets. Os jogos de Grand Slam dos homens realizam-se à melhor de cinco. Quer isto dizer que os homens são obrigados a jogar aproximadamente o dobro do tempo das mulheres para ganharem o mesmo. Como estes torneios se realizam ao longo de duas semanas, em vez de uma, as mulheres podem facilmente jogar em pares e pares mistos, ganhando um dinheirinho extra.
Porque é que os homens não se queixam?
Porque as marcas que eles representam não deixam.
Dava mau aspecto.

Harry Potter 7

Dia 20 de Julho, 23h59m, lá estarei à parte da FNAC para comprar o meu exemplar do último Harry Potter. O Calvin tinha pedido cinco livros que eu ainda não tinha lido e queria ler. Não tinha reparado nesse detalhe. Só me lembro deste.

sábado, julho 7

Matemática 12

Um professor, ou um ministro, não se podem congratular por os seus alunos obterem bons resultados num exame de que foram responsáveis. Até por causa disto.

Respeitinho!

José Sócrates, o ministro e o cidadão, colocaram um processo contra António Balbino Caldeira, o blogger do Portugal Profundo. Não se pode saber qual a razão que levou JS a colocar tal processo. Acontece que foi ABC quem pôs em causa a licenciatura de Sócrates. Acontece também que tudo o que ABC disse se veio a comprovar. O segredo de justiça deveria servir para evitar que a investigação seja prejudicada ou então para defender o bom nome de ABC, que é inocente até prova em contrário. Não parece que neste caso qualquer revelação de qual é a acusação possa prejudicar a investigação. Também não parece que ABC tenha algum problema em que seja revelada a acusação, antes pelo contrário. Para que serve então manter o segredo de justiça? Certamente para evitar problemas políticos a Sócrates. Para que servirá já agora o processo, para além de servir para intimidar alguns de nós bloggers?

Aproveito esta oportunidade para me redimir de tudo o que pensei de mal da Sra. Margarida Moreira da DREN. Ela limitou-se a tentar manter o seu emprego, mais nada.
A outra senhora, que não investigou o cartaz que lhe apareceu no serviço nem avisou os seus superiores desse facto, foi despedida.
Mas isso aconteceu depois, a MM ainda não sabia de nada, dirão vocês.

Sabia sim senhor. Vai para um ano que o professor da Universidade Nova que dirigia o processo do acordo com o MIT se demitiu. Na primeira oportunidade confrontou JS publicamente. JS explicou-lhe com todas as letras:

o Sr. é funcionário público, veja se anda na linha!

Nós achámos que não era a sério.
A MM é mais esperta do que nós.