terça-feira, dezembro 11

Revisitando o Gato de Schrödinger

As partículas que compõem o mundo seguem as leis da física quântica. Podem estar ao mesmo tempo em vários lugares, saltar de uma lado para o outro. Até agora achava-se que nós nunca observamos esse tipo de fenómenos devido a questões de escala. De alguma forma era como se a diferença de escala criasse uma diferença qualitativa. Afinal, parece que essa diferença é apenas quantitativa.
Agora alguns físicos argumentam que só não observamos esses fenómenos porque não fazemos medições suficientemente precisas. Se as fizéssemos podíamos por vezes observar a agulha de uma bússola saltar de uma posição para outra sem passar pelas intermédias, em consequência de uma flutuação discreta do campo magnético terrestre. Mais detalhes em Anaximandrake, um blog deliciosamente francês.

7 comentários:

Sofia disse...

Fascinante.

mendigo disse...

Então, mas o gato morre ou não?
O meu francês não é famoso...

Sofia disse...

Mendigo:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gato_de_Schr%C3%B6dinger

Só porque estamos no Natal...

mendigo disse...

Isso é hitória antiga, Dona Sofia.
Talvez eles tenham visto o gato, e tenham notícias frescas.
Bem, se ele era do Schrodinger, já não deve cheirar a rosas.

Sofia disse...

:)
Nesse caso, o gato vive, Dom Mendigo.

Tudo feito da mesma matéria, sabe?
Ele vive em cada um de nós.
Bem... em alguns de nós.

Alexandre Pierson disse...

Nestas coisas, aprendi (infelizmente) a ser bastante conservador.
E como não consigo aceder a "Phys. Rev. Lett. 99, 180403 (2007)" porque aparentemente é preciso pagar 30 dolares, mesmo usando a interface da B-On(sempre o mesmo assunto que volta vezes sem conta), continuo a achar que a interpretação correcta é a "explication communément avancée par les livres de physique."

on disse...

Caro Alexandre,
claro que sim. Já que estamos a falar: não posso deixar de achar que a nova explicação é bem mais natural.