quarta-feira, novembro 21

Negócios Estrangeiros

Diplomacia é mesmo disso que se trata: negócios. Existe uma grande comunidade portuguesa na Venezuela, eles têm petróleo. Nós vamos, na medida do possível, ser simpáticos para com este Chavez ou qualquer outro Chavez que ande por lá. De direita ou de esquerda. É barato e dá milhões. A menos que se cometam por lá atrocidades mais graves do que os problemas do dia a dia na Arábia Saudita. Ultimamente Mário Soares anda a pagar com juros todo o dinheiro que nos saca para a a sua fundação. Que assim continue por muitos anos.
Os monarquicos costumam dizer que os reis estão melhor preparados para exercer as funções de chefe de estado porque se prepararam para isso durante toda a vida. Juan Carlos mostra que não é bem assim. Vamos ver quanto é que vai custar à Espanha o ¿Por qué no te callas?

8 comentários:

Jaime disse...

«Os monarquicos costumam dizer que os reis estão melhor preparados para exercer as funções de chefe de estado porque se prepararam para isso durante toda a vida. Juan Carlos mostra que não é bem assim.»

O «¿Por qué no te callas?» foi um único incidente. Não vamos logo dizer que o Rei é pouco competente por isso.


«Vamos ver quanto é que vai custar à Espanha o ¿Por qué no te callas?»

Penso que custa pouco à Espanha. Daqui a uma semana isso já vendeu os jornais que tinha a vender e cai no esquecimento.

on disse...

Qual é a outra forma que o rei tem de mostrar a sua competência:
-dar mostras de conhecer bem os talheres quando está á mesa?
-saber andar a cavalo?
-saber acenar à multidão?

Juan Carlos viveu muitos anos em Cascais. As historias que se contavam sobre ele não erma muito abonatórias sobre acercadas suas capacidades intelectuais.

Quanto ao resto. Cá estaremos para ver o que sacontece:)

Jaime disse...

on, acho que um rei não deve ser julgado por um único incidente da mesma forma que acho que um cozinheiro não deve ser julgado por um único prato. Caso contrário, bastava um prato sair-lhe menos bem e despedíamo-lo logo.

Como se costuma dizer, "acontece aos melhores" de vez em quando saírem-se menos bem. Não significa que sejam "menos melhores" por isso.

on disse...

Imagine-se agora que no dia em que o cozinheiro deixava queimar o assado, toda a gente o elogiava por isso.
Não apetecia gritar:
o cozinheiro vai nu!

Anónimo disse...

Dom Jaime?

Jaime disse...

on, a sua resposta faria sentido se eu tivesse dito «devemos elogiar o Rei pelo seu único incidente.»

on disse...

Mas é o que muita gente fez...
O meu post foi uma reacção a essa atitude.

Volto a repetir: o rei só existe para executar funções de representação. Respeitar as formalidades, ser simpatico, trazer a América Cup para Valência.

Só tem que seguir o exemplo da rainha de Inglaterra: quando fala, o discurso é escrito pelo primeiro ministro.

O rei falou sem script e, como todos quase todos os actores de Hollywood que arriscam fazê-lo, deu bota.

Os artistas de Hollywood, quando falam na entregam premios na entrega dos oscares lêem alguma coisa escrita por um tipo barrigudo. Dá muito trabalho manter a linha. Quando dão entrevistas nos talk shows a promover um filme, idem, idem, aspas, aspas.

São bons profissionais.

Jaime disse...

Gostei dessa resposta, on! :-)