quinta-feira, novembro 22

O princípio do fim do papel?

Não podemos continuar a gastar madeira a produzir jornais que vão para o lixo ao fim do dia. Não acho indispensavel continuar a enchera a minha casa de livros. Quando quero um livro, quero-o logo. Só preciso de um pedaço de plástico leve e agradavel de ler que possa levar para todo o lado. parece que chegou a primeira geração destas maquinetas. As próximas vão certamente ser melhores.

15 comentários:

Hugo disse...

Terá de ser assim o futuro, de certeza absoluta.
Mas confesso que sejam jornais, sejam livros, gosto bastante de sentir o cheiro e o volume e textura das folhas (ok, o expresso aos sábados bem podia vir com menos lixo...).

Entretanto prevejo que esta invenção só começará a ser usada quando for tão confortável ler num elect. paper como numa folha normal, sem as dores de cabeça causadas por ecrãs, problemas de luz; e forem fáceis de manusear.

Nos entretantos, e para parar de gastar tanta madeira, que tal proibir a publicidade em papel porta a porta, à saída do metro, etc?

Jaime disse...

Muito giro. Se calhar até sai mais barato comprar o hardware e dez e-books do que comprar dez livros em papel, pelo que ao fim de algum tempo passa a compensar usar e-books.

Quanto ao desperdício dos jornais irem para o lixo ao fim do dia, ele pode ser evitando enviando os jornais para a reciclagem.

on disse...

Hugo, o papel electronico já não causa dores de cabeça. Dizem. Não aconselho é a comprar a primeira geração destes aparelhos. Nem o da Amazon, que deve estar preparado para só trabalhar com a Amazon.

on disse...

PS: O post "contra a dialética" é motivado por umas conversas do Hugo a semana passada. Apesar de ter nascido depois da morte do materialismo dialético, aindaestá contaminado pelo virus (meme).

on disse...

Jaime, parece que sai mesmo mais barato.

Hugo disse...

Não faço ideia do que seja o materialismo dialético (mesmo depois de ler na diagonal na wikipedia) e nem percebi muito bem ao ler o texto onde e que estão os meus comentários de há uma semana. Foram as minhas conversas sobre religião? Deixe-me cá reler o post do mat dialético.

(...)

Já está. Eu não disse que a verdade está numa síntese. Nem sou muito religioso. A minha posição está mais numa de: "não me apetece perder muito tempo a pensar numa coisa da qual nunca irei ter certezas" (um pouco a minha relação com as teorias da consp. :P). O que disse nos comentários é que não percebo onde está tanta contradição entre religião e ciência.

Diogo disse...

Há tipos que dizem que o livro ou o jornal em papel nunca será substituído. Seria o mesmo que afirmar na Idade Média que o pergaminho nunca seria substituído. Ou, em tempos mais remotos, que o papiro nunca seria substituído. Há tipos que não percebem que estamos num processo exponencial de evolução tecnológica.

on disse...

Hugo,
é muito dificil penetrar no espírito de uma religião quase extinta:)

Sim, era a posição sobre a religião.
Não se pode provar ou desprovar a existência de Deus, mas a teoria da evolução

1.Torna desnecessária a religião para explicar a origem do homem.

2. Permite explicar cada vez melhor a natureza humana.

3. Permite explicar de forma cada vez mais clara porque é que o homem criou a religião.

A religião tem problemas em lidar com estes três factos. Uns religiosos terão mais dificuldades que outros...

on disse...

Convem notar que há trinta anos o Materialismo Dialétco era uma filosofia séria que se discutia nos cafés e se ensinava nas universidades. O seu desaparecimento abrupto é um fenómeno raro.

Diogo disse...

A qual teoria da evolução é que você se refere, On?

on disse...

Caro Diogo,

vamos lá a ver se nos entendemos de uma vez: quer contestar uma capítulo estababelecido da biologia? Tire uma licenciatura, faça um doutoramento. Depois publique um artigo com as suas ideias.

Ou arranje alguém competente para discutir o assunto consigo. Eu não sou competente nesse assunto.

Se alguém quiser pôr em causa um teorema relativo a um assunto em que eu seja um especialista, é possível que eu esteja disponível para discutir o assunto. Se o tema me interessar, até o faço de borla.

Hugo disse...

Atenção que também eu acho que a religião é uma criação do homem. Não entanto, não acho que a teoria da evolução.

"1.Torna desnecessária a religião para explicar a origem do homem."

Não concordo. Para mim, haverá sempre um começo (Big Bang, por exemplo), e podemos sempre pensar "e pq/como é que o primeiro nanosegundo se deu?" Claro que isso não prova que deus exista, simplesmente mostra que ainda não sabemos (se é que alguma vez saberemos) a resposta. Podemos até, quem sabe, não ter cérebro suficiente para alguma vez entender a resposta. Não faço ideia, mas isto tb não me tira o sono.
Dou-lhe um exemplo do que quero dizer com isso. A eq de Newton dá uma boa teoria para o que acontece a nível macroscópio. Mas explica exactamente o que acontece? No fim de contas, um "força" não existe :) Pq é que as leis da física são o que são, e não outras?
Não sei se fui muito claro no quis dizer com isto, mas pronto. :)

on disse...

Uma explicação tem de nos dar alguma informação. Dizer "porque Deus criou" não resolve nada e abre sempre mais uma questão:
e quem criou Deus?

"Pq é que as leis da física são o que são, e não outras?"

Já se sabe dar muitas respostas parciais a essa pergunta!

Hugo disse...

"e quem criou Deus?"

é o que pergunto sempre a quem é muito religioso e começamos a falar da origem da vida. A resposta que levo é:

"Deus existe desde sempre"

E eu aí penso "Ah, tá giro" :P
Acho que haverá coisas que nunca perceberemos, e ainda bem :)

on disse...

Pois, "o universo existe desde sempre" soa a aldrabice.