quarta-feira, julho 6

Salve-se quem puder

O comentário mais simpático que consigo fazer à decisão de Sócrates de avançar com o aeroporto é que o senhor em causa sucumbiu ao pânico perante a sua total incapacidade em lidar com os problemas do país. Votei nele e voltava a votar agora, por ausência de alternativas. Compreendo agora os gregos que se vendiam como escravos a um romano. Alegrem-se! Ainda estamos uns furos acima dessa situação.

PS: Não costumo ser tão raivoso. Juntei explicaçõs nos comentários.

19 comentários:

MaDi disse...

Eu votei em branco por ausência de alternativas. Não é esse o significado do voto em branco?

wind disse...

Também votei nele e voltava a votar, mas porque esta democracia não tem partidos que dêm alternativa.

on disse...

Os nossos queridos democratas não gostam de ir a exame. Não aceitam que se possa votar contra o sistema. Os votos em branco são confundidos com os enganos. Apesar de tudo havia escolhas piores. Achei que devia penalizar o Santana Lopes.

Anónimo disse...

On
porque não, o novo aeroporto?
M. Conceicao

on disse...

Pois é, Maria da Conceição,
eu não costumo fazer posts raivosos. Hoje passei-me. O país tem problemas financeiros graves. O dinheiro que for gasto no aeroporto não vai ser gasto noutras coisas. Os argumentos do primeiro ministro estão longe de ser convincentes. Não conheço nenhuma cidade onde se tenha destruido um aeroporto para se construir outro. Todos os problemas se podiam resolver construindo uma segundo aeroporto, mais pequeno. Paris tem dois aeroportos e Londres tem três.Cria problemas de conexões? Pois cria. Mas estes países não se podem dar ao luxo de esbanjar dinheiro. Nós podemos...

on disse...

Continuando. Foi o anterior governo socialista, através de Jorge Coelho, que decidiu entregar a Tap à Swissair. A Air France oferecia mais dinheiro pela Tap. Jorge Coelho afirmou que "a oferta da AF é melhor mas a Swissair é preferível porque precisamos de organização. Os franceses também são latinos".

Quando a Swissair foi á falência e não cumpriu os compromissos que tinha para com a Tap, perguntaram a JC porque é que tinha entregue o sistema de reservas da Tap à S sem ter previsto uma indemnização da parte desta companhia. JC saiu-se com esta perola.
"Assim é muito melhor! Se tivessemos previsto uma indemnização estávamos limitados no valor máximo que podíamos pedir. Assim não."

Quando alguém apresenta argumentos deste tipo, eu tiro as minhas conclusões. Jorge Coelho mudou rapidamente de ministerio após o escandalo Swissair. Aproveitou o escandalo de Entre os Rios para sair discretamente de cena.

Enquanto JC tiver um papel de destaque no PS, com é possível dar o benefício da dúvida a algum responsavel deste partido a propósito de uma negociata?

on disse...

Ironia 1:

Foi um brasileiro a tirar a Tap do buraco onde JC a deixou.
Pior que latino, só brasileiro.

on disse...

Ironia 2:

A Swissair entrou na zona de influência da Air France, disputando com ela o controle das companhias de bandeira portuguesa e belga. parece que o governo francês não gostou dos métodos pouco ortodoxos eventualmente usados pela S air e retaliou protelando alguns acordos entre a Suiça e a comunidade europeia que eram fundamentais para a S air. Se JC não tivesse preferido a S air, o aeroporto de Zurique não estava agora às moscas.

on disse...

Os submarinos deram a Paulo Portas direito a tapete vermelho em Washington: 1% do PIB.
JC teve o seu acordo com a S air.
Agora temos a Ota.
Mais o TGV.

Por quantos anos ficou hipotecado o nosso futuro?

cócegas cerebrais disse...

Portugal é um País de contra-sensos. Quando penso na Irlanda, que estava no mesmo plano do nosso cantinho à beira-mar plantado e que tão bem soube aproveitar os fundos europeus pergunto-me: porquê? Quem pode ser responsabilizado por tamanha falta de tacto? E que tipo de responsabilidade? Quando vejo as notícias de Portugal, aqui de tão longe, apenas o pior ressalta e parece que parámos no tempo. Tudo por causa da incompetência de alguns. Será que existe salvação para este estado de coisas a que chegámos?

on disse...

Existe sempre, desde que algum dia se mudem as atitudes. Não estou a ver é como é que isso vai acontecer. Uma queda de vinte por cento no nívelde vida podia servir para alguma coisa. Mas não estou especiamente interessado em experimentar...

cócegas cerebrais disse...

Pois, já estou como o outro e "a esperança é a última a morrer". Mas enfim, quando se olha para a Espanha, onde o desemprego diminui, os salários são efectivamente bastante mais elevados que os dos portugueses e até os bens de primeira necessidade são mais baratos acho que o nosso nível de vida já anda pelas ruas da amargura, coitado...

on disse...

A Espanha tomou uma série de medidas muito duras quando entrou na CE. Não quis ignorar o que aí vinha. Cavaco só se preocupou com as maiorias absolutas. Foi ele "o homem do leme" quando se podia e devia mudar as coisas. Agora é muito mais difícil.

Anónimo disse...

On
obrigada pelas tuas explicações.
Embora eu ache que a questão do aeroporto é irreversível. Manter dois aeroportos não teria custos ainda maiores?
Quanto ao TGV, já tenho sérias dúvidas.
Agora, quanto à questão da ineficácia dos governos que temos tido, isso é por demais evidente. Até dá raiva só de pensar.
M. Conceicao

on disse...

Uma linha de TGV para Madrid, tudo bem.
Uma linha de TGV para o Porto, para ganhar uma hora, não me parece valer a pena. Para além do mais implica indemnizações à CP.

Como disse Belmiro de Azevedo recentemente, a viagem Lisboa-Porto em comboio levava duas horas e meia dez anos atrás. Agora, depois de vários investimentos milionérios, leva três...

Mas estão previstas várias outras linhas, todas elas absolutamente ruinosas.

on disse...

Porque é que as grandes empresas portuguesas não correm riscos a concorrer no estrangeiro com as outras empresas? porque o estado português continua a proporcionar-lhes negociatas de risco nulo.

Porque é que os pequenos empresários não apostam mais na exportação? porque fugir aos impostos é mais rentável e mais seguro do que concorrer com empresas estrangeiras.

Estes grandes investimentos atrasam o desenvolvimento do país.

on disse...

Os custos de gestão dos aeroportos pagam-se a si próprios. Com as taxas de aeroporto. Londres, Paris, New York, tém todas vários aeroportos.

E estão ligadas ao aeroporto por metro ou comboio. Num país racional tinha-se feito uma linha de metro Expo - aeroporto - Campo Grande. Em vez disso fez-se uma linha mais longa, que atravessa um deserto. Já ouvi o argumento de que não se podia aumentar o aeroporto por causa do tráfego na segunda circular...

on disse...

Uma das grandes vantagens do novo aeroporto é criar a necessidade de uma nova linha de TGV Lisboa- Ota. Já agora prolonga-se até ao Porto...

Anónimo disse...

Keep up the good work » » »