sábado, abril 25

Gregory House: Solitude and Loneliness

Solitude e Loneliness são normalmente traduzidas por solidão. No entanto não significam exactamente a mesma coisa. Podemos sentir-nos sózinhos no meio de uma multidão. Isso é lonliness. Podemos estar sós e encher o espaço à nossa volta. Isso é solitude without lonliness. Não é possível realizar qualquer trabalho criativo sem ser capaz de estar só. Porque qualquer trabalho criativo envolve algum tipo de contacto com o inconsciente.

O argumento de House gira em torno da personalidade do protagonista e das tensões entre ele e os outros personagens. Não é mais uma série de médicos. Porque é que House é médico? Porque não se pode deixar de levar a sério alguém que é capaz de salvar vidas que outros não são capazes de salvar. É essencial que se mantenha a tensão: ninguém acredita no House, ele diz as coisas mais loucas, mas nós acreditamos. O enigma que House acaba por resolver no fim de cada episódio serve essencialmente para realçar mais uma vez a sua excepcional perspicácia.

Donde provém o magnetismo pessoal de House? Donde provem a sua capacidade de compreender as situações? A resposta à segunda pergunta é clara: tem alguma coisa a ver com o facto de Greg House estar em contacto com o seu lado negro, a sua Sombra. Se pensarem bem, a forma como ele chega ao pé de alguém desconhecido e consegue o que quer também tem a mesma origem.

As pessoas não estão umas do lado do Darth Vader e outras do lado do Luke SkyWalker. Temos os dois dentro de nós. Temos de reconhecer o Darth Vader que está em nós. Only then, can we use the force! É esta a mensagem que Greg House tenta transmitir a toda a gente, a toda a hora. Ninguém a quer ouvir.
A mensagem fundamental da série é outra: House está certo, mas está errado. Ele está em contacto com a verdade, mas o preço a pagar é a lonliness, uma vida miseravel. É bem melhor abdicar de estar em contacto com a verdade. Quantos jovens inteligentes e ambiciosos terão comprado esta tese? A forma rasteira como a FOX usa a confusão entre solitude e lonliness é típica da mais reaccionária cadeia de televisão dos Estados Unidos.
(continua)

15 comentários:

on disse...

Ontem um jovem nascido dez anos depois do 25 de Abril desejou-me um bom 25 de Abril. Que assim seja...
E um bom dia para todos vocês!

MaDi disse...

A semana passada não era supostamente dedicada ao Jung?

Estas coisas das sombras têm a ver com o Jung?

on disse...

MaDi,
tanto a Persona, referida nos comentários ao post de dia 18, como a Sombra, são conceitos importantes na obra do Jung. A persona é a parte da nossa psique constituida pelas nossas adaptações à vida em sociedade. A sombra são os aspectos inconscientes da nossa personalidade, que deixamos cair para melhor nos adaptarmos. A maioria não são muito recomendaveis. Uma pequena parte pode ser o melhor de nós próprios, deixado cair porque nos tivemos de enrigecer para sobreviver.
Estes conceitos ajudam a explicar mutas coisas...

MC disse...

O filósofo cristão existencialista Gabriel Marcel diz que "A solidão é essencial à fraternidade".

on disse...

"A forma rasteira como a FOX usa a confusão entre solitude e lonliness é típica da mais reaccionária cadeia de televisão dos Estados Unidos."

Não é bem assim. Como diz Marshall McLuhan, o meio é a mensagem.
O discurso televisivo foi esticado atá ao limite para lidar com House. Seria muito dificil fazer a série funcionar na televisão sem distorcer a personagem da forma descrita no post.

sara monteiro disse...

Continuo sem perceber. Como é que uma série tão supostamente reaccionária se torna então uma das tuas preferidas? Numa série de culto? Haverá aqui algum sentimento "sombrio"?

sara monteiro disse...

Não acho o equívoco do Hugo nada terrível. É só a prova de que a série é boa e se presta a várias interpretações. Imagina que só tinha uma. Aí, sim, seria mesmo reaccionária.

sara monteiro disse...

Ou seja: como é que uma boa série sobre a Sombra (justamente) poderia transmitir uma mensagem inequívoca a preto e branco?

on disse...

Sara,
amanhã vou tentar responder a isto tudo amanhã!

A quem estiver interessado em participar na discussão:
a conversa começou no post acima.

Hugo disse...

Ein? O Hugo sou eu? Qual equívoco? O do House classificar demais? É uma série de televisão! (que sim, me começa a farta, eu que era tão fã, pela constante repetição das ideias)

MaDi disse...

Sara,

Acho que no fundo no fundo esta conversa vem de muitos posts abaixo.
Talvez o que o on disse pareça um pouco estranho se não se seguiu a conversa...

sara monteiro disse...

Madi
Apesar de eu ter lido o que foi escrito lá em baixo, acho que não estás a conseguir seguir a conversa aqui em cima.

on disse...

Sara, de momento não consigo uma resposta que me satisfaça para astuas perguntas. Eala há-de aparecer um dia destes:)

Hugo Tavares disse...

Alguém já viu o final da 5^^série? Já? ein ein? O que acharam?

on disse...

ainda não. mas já falta pouco...
não vale contar!!!