terça-feira, junho 29

Um homem de sorte

Akio Morita, o fundador da Sony era uma homem poderoso. Como todos os homens com algum poder, ninguém lhe fazia frente. Tudo o que ele dissesse, estava correcto. Quase tudo. Quando ele tinha setenta anos o seu professor de flauta tradicional japonesa, um jovem de noventa anos, ainda o tratava uma vez por outra como um miudo descuidado que precisava que lhe puxassem as orelhas. Morita achava que essas aulas de flauta eram o segredo da longevidade do seu sucesso.
Ainda tenho uns tipos a chatearem-me uma vez por outra. Mas pouco. E uma professora de yoga. Ou de natação. Mas não é a mesma coisa. Na falta de um professor de flauta tradicional japonesa, espero continuar a ter por muitos anos algum amigo que faça o seu trabalho.

6 comentários:

on disse...

Tentei confirmar a veracidade desta história. Não consegui. Mas também não é isso que é importante.

MaDi disse...

É preciso guardar muito bem guardados esses amigos...
Estás em Toulouse?

on disse...

Não, havia uma conferência da minha área, mas não deu para ir...

Diogo disse...

Tens-me a mim, ON. Onde irias arranjar melhor na educação?

on disse...

Obrigado, Diogo.
Mais um, dá sempre jeito.

Sofia disse...

Ahhh... E eu que não sei a receita do bolo de bolacha...