quarta-feira, outubro 7

Benfica Stars Fund: A aritmética segundo Luís Filipe Vieira

A SAD benfiquista anunciou esta terça-feira que subscreveu 15 por cento do valor total do "Benfica Stars Fund - Fundo Especial de Investimento Mobiliário Fechado", num investimento global de 6 milhões de euros.

Se a SAD investe, deve ser seguro...
Deixem lá ver se eu percebo este comunicado. Quem comprar unidades de participação do Benfica Stars Fund, compra direitos sobre futuras vendas dos passes de certos jogadores do Benfica. A quem pertencem actualmente esses passes? À SAD. O que significa subscrever 15% do fundo? Significa que a SAD comprou a si própria unidades de subscrição do fundo. Significa também que a SAD vendeu só 85% do valor nominal desses passe, qualquer coisa como 34 milhões de euros. Comprar 6 milhões de euros ou vender 34 não é exactamente a mesma coisa.

18 comentários:

on disse...

Muito têm falado os adeptos do Benfica sobre as os comentários feitos pelo presidente de Sporting aos critérios de avaliação do Stars Fund. Só se esqueceram de o desmentir. As avaliações dos passes dos jogadores são ao estilo do passe do Mantorras. O jovem Roderick Miranda, um ilustre desconhecido que nunca jogou na equipa principal é avaliado em 8 milhões de euros.

Vejamos o que aconteceu com os fundos do Sporting e do Porto.
Quem apanhou a venda do Ronaldo ganhou algum dinheiro. Quem apanhou a saída do Mourinho do Porto, também. Os outros perderam e bem. Estes fundos já fecharam, precisamente porque não corresponderam às expectativas.

Dos três grandes, o Benfica é precisamente aquele com menos curriculum na venda de jogadores.

Mas o Benfica também tem direito a pedir mais uma vez aos seus adeptos que financiem o clube a fundo parcialmente perdido.
Como eles fizeram ao comprar as acções das SAD's.

Desejo toda a sorte do mundo aos corajosos investidores. Vão precisar dela.

Sofia disse...

E depois também temos crianças a morrer de fome.

on disse...

Sofia,
Jesus Cristo já é suposto ter respondido a essa observação vai para dois mil anos.

Anónimo disse...

De certeza que a Sofia nunca compra uma coisinha gira para si sem antes pensar nas crianças que morrem de fome. Nem comeu algo que lhe apetecia sem primeiro racionar uma dose adequadamente solidária ás carencias dos mais necessitados. Lembra-me o nosso prémio nobel literario que dizia que nao deviamos ir a marte enquanto uma criança passasse fome. Mas de certeza que ele nao se priva de ir aonde lhe apeteça passear enquanto a mesma criança definha. Ai, as criancinhas, as criancinhas, são tão boas para servir de escudos...

Omwo, rolling his eyes

on disse...

Omwo,
parafraseando JC.

Sofia disse...

Cada um (pre)ocupa-se com o que acha mais importante...

O OMWO está a ser um insensível. Acabei de ser mãe.
Quero lá saber de falar a sério de futebol ou de qualquer outro assunto do género.

Que eu me lembre, não ofendi ninguém com o que escrevi. Já o OMWO... Se se sente culpado, não é problema meu. Há psicoterapias. E também há chicotes à venda...

Sofia disse...

(esqueci-me de tomar a medicação, hoje. espero não ter magoado os frágeis mas dissimulados sentimentos do OMWO.)

on disse...

Sofia,

acho que percebi agora o que tu querias dizer. Não estou nada preocupado com a seriedade do negócio do futebol per si. Os benfiquistas que comprarem as unidades de participação do fundo que se amanhem.

Uma das razões porque há tantas criancinhas a morrer de fome é porque muitos de nós caiem facilmente nos jogos de palavras e nas ilusões criadas pelos muitos aldrabões que por aí andam.
Sempre que as encontro faço por denunciá-las.

Não interessa se os potenciais aldrabados merecem ou não que eu me preocupe com eles.

O futebol é importante porque mexe com emoções arcaicas que têm um poder extraordinariamente forte sobre as mentes de muitos homens e algumas mulheres. É através do futebol e actividades afins que muitos padrões de comportamento irracional se introduzem/propagam/perpetuam numa sociedade. O ideal seria atacá-los na fonte.

Sofia disse...

No fundo, On, eu tenho é inveja de ti, por saberes tantas coisas e eu não.
Não me transtorna nem um pouco que fales delas, mesmo que o faças com um ar tão sério. Até porque, mais do que o assunto em si, o que me interessa é a forma como defendes uma ideia, quando dissertas e dás a tua opinião.
Mas ainda bem que percebeste.

on disse...

Sofia,
como seria possível falar das criancinhas sem um ar sério?!!!

on disse...

Nem tu o aceitarias!

Sofia disse...

"Não me transtorna nem um pouco que fales delas (...)"

Estava a referir-me às "tantas coisas" da frase anterior.

Mas em relação às crinacinhas, o ar pouco me importa. Pode até nem ser sério.
Acho é inaceitável que se fale de criancinhas sem ser a sério, mesmo que seja com ar de brincadeira.
As crianças são um assunto sempre sério.

Hugo Tavares disse...

Já eu, Sofia, não percebi o teu comentário das criancinhas, pareceu-me completamente fora de contexto e até compreendi a resposta do owmo, que não achei ofensiva mas sim espicaçadora.

Sofia disse...

Pois eu, Hugo, não falei de criancinhas, mas sim de crianças. Embora subtil, há uma diferença entre as designações.
Registo a observação relativa ao contexto (ou falta dele), mas não posso fazer nada em relação a isso. :)
E também não achei a resposta do OMWO ofensiva. Apenas referi a insensibilidade que me parece estar-lhe subjacente.

remediado (ex-mendigo) disse...

insensi quê?

Sofia disse...

Diz que vai chover, para a semana...

remediado disse...

Dona Sofia Insensiqualquercoisa, julgo que está subjacente à sua resposta alguma distinção subtil que me ultrapassa. Falta de chá, quando era criancinha?

Lá em casa só havia café com leite.
Na falta da resposta de um cavalheiro que mais pode fazer outro do que se oferecer para tomar o seu lugar?
Nem que seja para o mandarem ver se chove.

Sofia disse...

Caro Remediado

Não pensei que estivesse à espera de resposta. Longe de mim, muito longe mesmo, mandar quem quer que seja ir ver se chove. Muito menos sem motivo para isso.

Estava a tentar mudar de assunto, puxando um que todos dominam e a mostrar que aprendi a ser menos sensivelzinha em relação às criancinhas. Pelo menos aqui.

Desculpe se o ofendi, ainda que inadvertidamente. Não tive mesmo qualquer intenção de o fazer.

Obrigada pela resposta e pela atenção, mas lido bem com o facto de me ignorarem.
Às vezes, muitas até, sei que mereço e até faço por isso.