sexta-feira, agosto 28

OTAS

A questão essencial nunca foi Ota ou não Ota mas sim proporcionar ou não negócios a certas pessoas. Entretanto as obras de ampliação da Portela continuam alegremente. Desde o princípio da crise que quem passa por lá nota uma queda acentuada de tráfego. Mas foi a primeira vez que lá passei a meio de Agosto nestes últimos anos. O aeroporto estava às moscas. Quem precisa do novo aeroporto?

10 comentários:

Sofia disse...

Vá lá, On, mais. Ainda estou indecisa quanto ao voto. Vais votar? :)

MaDi disse...

O aeroporto estava às moscas? Ultimamente tenho visto bastante cheio.
Conheço alguém que fez uma consultoria externa para decidir se era viável construir um novo aeroporto e acho que definitivamente, é. Sobretudo, um aeroporto com tantos voos (duma capital) não pode estar dentro da cidade. Acho que pelos cálculos, se algum avião não conseguir decolar, vai parar à 2ª circular, o que é um bocado grave...

on disse...

Olha!
comentários...

Sofia,
não acredito que estejas assim tão indecisa.
O Paulo Portas é tão giro:)

Sim, vou falar sobre onde (não) vou votar. O problema é que se fica tão enferrujadinho...

MaDi,
acho optimo que façam outro aeroporto. Bem pequenino. Que depois vá crescendo se e quando for necessário. Agora andar a fazer obras num aeroporto descartável...

Quanto ao risco do avião cair:
A ecomometria trata destas relações custo benefício. Quantas vidas se podem esperar poupar mudando o aeroporto de sítio? Qual é o preço por vida? De quantas maneiras podemos poupar esse número provavel de vidas por com um milésiomo de investimento necessário para eliminar o aeroporto? Quando tivermos esgotado todos esses casos. A seguir tratamos do aeroporto...

on disse...

enferrujadinho de não escrver

Carlos Albuquerque disse...

Quanto ao aeroporto pode ser interessante considerar quantas pessoas morrerão em acidentes de viação em trajectos de e para um novo aeroporto. Quantos anos serão necessários para morrerem 200 ou 300 pessoas?

Sofia disse...

:)

Eu avisei a tempo. Podias já ter desenferrujado.

MaDi disse...

Eu não estava a falar do risco do avião cair, estava a falar do risco de não levantar...
O que pode ocorrer várias vezes sem mortes nenhumas. No caso de Lisboa, há mortes que podem ser muito facilmente evitadas que não o são...

Hugo disse...

Até parece que metade dos comentadores aqui não trabalham debaixo de uma rota de aterragem/descolagem. Já se habituaram ao barulho?

on disse...

Hugo, não me incomoda por aí além. E outros valores mais altos se alevantam...

Hugo disse...

A única justificação possível que aceito para a mudança de aeroporto é a do ruído. As outras, obviamente, são uma tanga.

Muito interessante a (velha) reportagem da TVI no site do Diogo.