quarta-feira, março 30

Geometric models of matter - Athiyah na Gulbenkian

Da outra vez que o Sir Michael veio a Lisboa, fiquei impressionado com a sua energia extraordinária. Chegou de manhã, deu um seminário, falou com toda a gente que tinha alguma coisa para dizer. Continuou a falar a uma velocidade louca durante todo o jantar, sem se preocupar com as horas. No dia seguinte tinha um avião para apanhar às sete da manhã, onde um dia ainda mais agitado o esperava em Barcelona. O conteúdo científico de seminário não me ficou na memória. Afinal o Athiyah tinha setenta anos e a Matemática é suposta ser um young man's game.
Fui até à Gulbenkian sem grandes expectativas. Aos 82 anos o Athiyah passou a falar à velocidade de uma pessoa normal. O seu seminário, esse não tinha nada de normal. Deu uma das palestras mais loucas e belas a que assisti em toda a minha vida. O homem quer asssociar a cada particula elementar uma variedade de dimensão quatro e por as ideias do Donaldson a render. As partículas de carga nula são variedades compactas. As ideias são tão belas e complexas que é difícil não ficar entusiasmado. O objectivo: refundar a Física Nuclear. Compreender a fissão e (suponho eu) a fusão nuclear. Trata-se de um tema tabu falar na fusão, mas não acredito que ele não sonhe com isso.
Está claro que no fim foi bombardeado pelos físicos: então e os quarks? e o neutrino? Ele tinha resposta para quase tudo. Só o Tom Girard é que conseguiu marcar um ponto quando levou o Athiyah a reconhecer que ainda não sabia muito bem que fazer com o fotão, embora tenha apresentado boas razões para que essa seja a última peça do puzzle.
Caramba, o homem ainda nem publicou o primeiro artigo. O mais impressionante é ver um gajo de 82 a falar de um projecto para vinte anos (a primeira fase!) com a energia de um pos-doc. Não é caso único: este ano vou à conferência dos oitenta anos do Hironaka, que continua a correr atrás do teorema de resolução de singularidades em caracteristica positiva com se de tal necessitasse para obter a tenure.
Velhos são os trapos!

8 comentários:

Sofia disse...

Fascinante!!!
De ficar sem respirar.

(se bem que eu saberia muito bem o que fazer com um fotão. ficava bem na parede do meu quarto, de certeza.)

Sofia disse...

" Algebra is the offer made by the devil to the mathematician. The devil says: `I will give you this powerful machine, it will answer any question you like. All you need to do is give me your soul: give up geometry and you will have this marvellous machine.' "

Michael Atiyah


:)

on disse...

Frase um pouco contraditária, uma vez que o senhor em questão escreveu um livrinho fantástico intitulado

"Commutative ALgebra".

Sem desistir da Geometria...

Sofia disse...

:)
É homem e basta. Já viste algum homem a ser coerente?

on disse...

O homem fala por parábolas. A tentação de substituir a geometria pela algebra provem do maior perigo com que a nossa civilização se confronta, o papel cada vez mais proponderante que o hemisfério esquerdo desempenha. Podíamos chamar-lhe o Hemisfério Diabólico.

Sofia disse...

Podemos chamar-lhe o que quisermos, ON.
A questão essencial, aqui, é mais: os nossos hemisférios só preponderam o que nós quisermos (deixarmos) que preponderem.
Enquanto considerarmos que alguma coisa no nosso corpo tem vida própria/independente da nossa vontade espiritual, tudo pode acontecer. Principalmente o que não deveria acontecer...
Vai por mim :)

on disse...

Achas então que mandas em ti?

Sofia disse...

:)
Em mim e em toda a gente :)